Ousadia

Ousadia

Mais um dia se apaga
saio pela rua descalça
pés no asfalto
dançam uma melodia
que ninguém escuta
como testemunha, o vento
 espectadora, a lua

Sem pudor,
canto à loucura
imagino cenas
finjo ser outra
instante de prazer

A vida tem disso
corpos não servem de abrigos
almas não comportam sensatez

Escuridão perde espaço
para um brilho que irradia
de uma sonhadora ao extremo
buscando sensações
e colecionando momentos.

Rebeca Bulcão
Proposta “pés no asfalto”


Os mais lidos:

Despertar poesia