Ousadia

Ousadia

Mais um dia se apaga
saio pela rua descalça
pés no asfalto
dançam uma melodia
que ninguém escuta
como testemunha, o vento
 espectadora, a lua

Sem pudor,
canto à loucura
imagino cenas
finjo ser outra
instante de prazer

A vida tem disso
corpos não servem de abrigos
almas não comportam sensatez

Escuridão perde espaço
para um brilho que irradia
de uma sonhadora ao extremo
buscando sensações
e colecionando momentos.

Rebeca Bulcão
Proposta “pés no asfalto”


Fênix

Fênix

Sobre a cama
sinto-me acalentada
Mesmo tão distante,
encontro o teu cheiro,
o arrepio na pele,
as carícias doces,
os beijos ternos,
a combustão dos corpos
As madrugadas me presenteiam
lembranças que ficaram secretas
Alguns dias, choro de saudade,
mas as lágrimas não apagam a chama
Elas acendem esse amor
que outra vez renasce
como fênix nas cinzas da memória.

Rebeca Bulcão
Proposta: “sobre a cama”


Encontro das águas

Encontro das águas

No verde descampado
vejo o rio desassossegado
nascente em seu leito
dizendo adeus às margens

No azul profundo
perde-se de seus afluentes
e segue o rumo plangente
dos acordes das águas

O fluxo cumpre os desígnios
a força se mostra na correnteza
rio e mar se encontram
nem pacíficos
nem congruentes
irremediável natureza
tão diferentes
e se pertencem desde sempre.

Rebeca Bulcão


Os mais lidos:

Despertar poesia